RESUMO DO LIVRO: O PRÍNCIPE, de Maquiavel

Publicado em 13 de agosto de 2012 por [email protected] 

O melhor da moda,tecnologia,games,esportes e muito mais

WP Greet Box icon
Olá Visitante! Você é novo por aqui, talvez queira assinar o nosso RSS Feed para receber todas as nossas atualizações. Ou se preferir receba nossas atualizações por e-mail. É grátis!

O livro foi uma dedicação de Nicolau Maquiavel ao Príncipe de Florença Lorenzo de Médici. Na época, Florença estava vivendo uma situação caótica.

 

Capítulo I OS VÁRIOS TIOS DE ESTADO, E COMO SÃO INSTITUÍDOS

 

Existem 2 tipos de Estados as Repúblicas e os Principados. Os Principados são hereditários ou fundados recentemente.

As Repúblicas são conquistadas pela força ou sorte.

 

Capítulo II AS MONARQUIAS HEREDITÁRIAS

 

É mais fácil governar um Estado que seja por forma de Principado do que sob a forma de Monarquias Novas. Para que isso ocorra não se deve transgredir costumes e adaptar da melhor forma às situações difíceis.

 

Capítulo III AS MONARQUIAS MISTAS

 

A dificuldade encontrada é que o novo Estado não é totalmente novo, ou seja, o novo Coordenador terá dificuldades para instalar mudanças às pessoas que estavam no Estado anterior. Fará assim, inimigo e ñ poderá satisfazer todas as expectativas daqueles que o ajudaram a conquistar a nova monarquia. O pior é quando o conquistador do novo Estado possui leis, costumes e fala língua diferente dos conquistados pois, a dificuldade de comunicação é imensa. Para que o governo seja duradouro, é preciso que o conquistador resida na província conquistada. Outra solução é instalar 2 ou 3 colônias em lugares estratégicos para que os colonos vigiem o restante da população para o Rei. Esta última forma é mais eficaz, foi a fidelidade é maior.

 

Capítulo IV POR QUE O REINO DE DARIO, OCUPADO POR ALEXANDRE, NÃO SE REBELOU CONTRA OS SUCESSORES DESTE, APÓS SUA MORTE

 

No curso da história os reinos têm sido governados de duas formas: por um príncipe e seus assistentes, que, na qualidade de ministros, o ajudam a administrar o país, agindo por sua graça e licença; ou por um príncipe e vários barões, cuja posição não se explica por um mercê de soberano, mas pela antiguidade da própria linhagem.. Esses barões têm súditos e territórios, onde são reconhecidos como senhores, e aos quais estão ligados por laços de natural afeição. Nos Estados governados por um Príncipe e seus ministros, o monarca tem maior autoridade, pois em tais reinos ninguém é tido como superior. Se se obedece a alguém é porque se trata de um ministro ou funcionário do Príncipe, o q ñ inspira qualquer estima particular.

 

Capítulo V O MODO DE GOVERNAR AS CIDADES OU ESTADOS QUE ANTES DE CONQUISTADOS TINHAM SUAS PRÓPRIAS LEIS

 

Quando um monarca conquista um país que antes era vivido em liberdade, existem três formas de mantê-lo:

Pode-se arruína-lo, ir habitar na “terra” conquistada ou permitir que a população continue com suas próprias leis

A cidade habituada à liberdade pode ser dominada mais facilmente por meio de seus cidadãos do q de qualquer outra forma, desde que se queira preserva-lo.

 

Capítulo VI OS NOVOS DOMÍNIOS CONQUISTADOS COM VALOR E COM AS PRÓPRIAS ARMAS

 

Os homens seguem quase sempre caminhos já percorridos por outrem, agindo por imitação ( o homem prudente escolherá sempre o caminho trilhado pelos grandes vultos, selecionando os mais destacados).

O indivíduo q se torna príncipe pressupõe ter grande valor ou boa sorte.. Contudo, os q têm sido menos afortunados se mantiveram melhor. Examinando nitidamente, veremos q nada deveram à sorte, a ñ ser oportunidade.

Um príncipe p/ executar suas obras pode pedir ajuda a outrem, ou impor-se pela força. Na 1° hipótese sempre se dão mal, e ñ chegam a parte alguma, mas quando dependem dos próprios meios apenas, e conseguem impor-se, raras vezes falham. Daí a razão pq todos os profetas armados vencem, e serem arruinados os desarmados.

 

Capítulo VII OS NOVOS DOMÍNIOS CONQUISTADOS C/ AS ARMAS ALHEIAS E BOA SORTE

 

Aqueles q se tornam príncipes exclusivamente pela sorte empregam nisso pouco trabalho, mas só a muito custo se mantêm na nova posição. Além disso, os Estados criados subitamente – como tudo o mais q na natureza nasce, cresce c/ rapidez – ñ podem ter raízes sólidas, profundas e ramificadas, de modo q a 1° tempestade o derruba.

 

Capítulo VIII OS Q C/ ATOS CRIMINOSOS CHEGARAM AO GOVERNO DE UM ESTADO

 

Há ainda duas maneiras de se tornar um príncipe. Consistem em tornar-se soberano por algum meio vil, ou criminoso, ou pelo favor dos concidadãos.

Ñ se pode, contudo, achar meritório o assassínio dos seus compatriotas, a traição dos amigos, a conduta s/ fé, piedade e religião; são métodos q podem conduzir ao poder, mas ñ à glória

 

Capítulo IX O GOVERNO CIVIL

 

Consideremos agora o caso do cidadão q se torna soberano ñ por meio do crime, ou da violência intolerável, mas pelo favor dos seus concidadãos: é o q se poderia chamar de governo-civil. Para atingir tal posição,  o cidadão ñ dependerá inteiramente do valor ou da sorte, mas da astúcia afortunada. Chega-se a ela c/ o apoio da opinião popular ou da aristocracia (p/ quem não sabe o q é essa última palavra, é a forma de organização social e política em q o governo é monopolizada pela classe da nobreza). Desses 2 interesses q se opõem, surge 1 de três conseqüências: o governo absoluto, a liberdade ou a desordem. Quem chega ap poder c/ a ajuda dos ricos tem maior dificuldade em manter-se no governo do q quem é apoiada pelo povo.

Por conseguinte, quem se tornar um príncipe pelo favor do povo deve manter sua estima – o q lhe será difícil, pois a única coisa q o povo pede é ñ ser oprimido.

 

 

 

Capítulo X COMO AVALIAR A FORÇA DOS ESTADOS

 

Ao examinar as qualidades dos principados, é necessário considerar se é tal a situação do príncipe q em caso de necessidade ele se pode manter por si, ou se precisa sempre do auxílio alheio. Quem fortificar bem sua cidade, e proceder c/ relação aos seus súditos como já indicamos, e indicaremos mais adiante, só c/ grande relutância será atacado, pois os homens nunca se inclinam a empreendimentos q prometem ser difíceis, e nunca parecerá fácil atacar aquele q tem sua cidade bem defendida, e ñ é odiado pelo povo.

 

Capítulo XI OS ESTADOS ECLESIÁSTICOS

 

Os Estados Eclesiásticos, conquistados c/ o mérito ou c a sorte, nem um nem outra são necessários p/ conserva-los, pois são sustentados por antigos costumes religiosos. Só esses príncipes podem ter Estados s/ defende-los e súditos s/ governa-los; e seus Estados, mesmo s/ ser defendidos, ñ lhe serão tomados

Obs: Maquiavel relata em seu livro a importância o Papa Alexandre VI:

 

“Dentre todos os que sentaram no trono de Pedro, melhor demonstrou o quanto um papa pode dominar pelo dinheiro e pela força.” Nicolau Maquiavel.

 

Capítulo XII OS DIFERENTES TIPOS DE MILÍCIA E DE TROPAS MERCENÁRIAS

 

A base principal de todos os Estados, sejam novos, antigos ou mistos, são boas leis e bons exércitos. E como ñ pode haver boas leis onde ñ há bons soldados, devendo haver boas leis quando os soldados são bons, ñ discutirei aqui as leis, mas sim as forças armadas.

As tropas c/ q um príncipe defende seus domínios podem ser próprias, mercenárias, auxiliares ou mistas. As mercenárias e auxiliares são prejudiciais e perigosas, o príncipe q defenda seus domínios c/ o apoio de mercenários nunca terá uma posição firme ou segura, pois são soldados desunidos, ambiciosos, sem disciplina e infiéis, ousados entre amigos, covardes perante os inimigos; ñ teme a Deus nem são leais aos homens. O motivo único e a afeição q os faz lutar é 1 salário modesto, q ñ é suficiente p/ faze-los morrer pelos soberanos. Uma república q ñ tenha exército próprio se submeterá mais facilmente ao domínio de 1 dos seus cidadãos do q uma república c/ armas mercenárias

 

Capítulo XIII Forças auxiliares, mistas e nacionais

 

As forças auxiliares, pedidas a um vizinho poderoso como ajuda para a defesa do Estado, são tão inúteis quanto as mercenárias. As tropas auxiliares podem ser em si mesmas eficazes, mas são sempre perigosas p/ os q delas se valem – se são vencidas, isto representa uma derrota; se vence, aprisionam quem as utiliza. Um príncipe prudente, por conseguinte, evitará sempre tais milícias, recorrendo a seus próprios soldados; preferirá ser derrotado c/ suas próprias tropas a vencer c/ tropas alheias. Em suma, as armas alheias nos sobrecarregam e limitam, quando ñ falham.

 

 

 

Capítulo XIV OS DEVERES DO PRÍNCIPE PARA C/ AS MILÍCIAS

 

Os príncipes, por conseguinte, ñ deveriam ter outro objetivo ou pensamento além da guerra, suas leis e sua disciplina, nem estudar qualquer outro assunto; pois esta é a única arte q se espera de quem comanda. Os príncipes quando se interessam mais pelas coisas amenas do q pelas armas, perdem seus domínios. Entre outros males, estar desarmado significa perder a consideração.

 

Capítulo XV AS RAZÕES PELAS AS QUAIS OS HOMENS, ESPECIALMNTE OS PRÍNCIPES, SÃO LOUVADOS OU VITUPERADOS.

 

Quem quiser praticar sempre a bondade em tudo o q faz está fadado a sofrer, entre tantos q ñ são bons. É necessário portanto, q o príncipe q deseja manter-se aprenda a agir s/ bondade, faculdade q usará ou ñ, em cada caso, conforme seja necessário. Contudo, ñ deverá se importar c/ a prática escandalosa daqueles vícios s/ os quias seria difícil salvar o Estado. Certas qualidade q parecem virtudes levam à ruína, e outras q parecem vícios trazem como resultado o aumento da segurança e do bem-estar.

 

Capítulo XVI A LIBERALIDADE E A PARCIMÔNIA

 

Não sendo possível ao soberano, praticar sem risco a liberalidade assim conhecida, o príncipe, para ser prudente, ñ deve se incomodar q o chamem de miserável.

De fato, a liberalidade é muito necessária para o príncipe que marcha à frnte do seu exército e vive do botim de guerra, do roubo e de resgates, pilhando a riqueza alheia, sem a qual deixaria de ser seguido pelas tropas.

Ora, dentre as ciosas q o príncipe precisa evitar, o mais importante é o ser desprezado ou odiado; e a liberalidade conduzirá a uma ou outra dessas condições.

 

Capítulo XVII A CRUELDADE E A CLEMÊNCIA. SE É PREFERÍVEL SER AMADO OU TEMIDO

 

Continuando o exame das outras qualidades mencionadas, todos os príncipes devem preferir ser considerados clementes, e ñ cruéis. O príncipe, portanto, ñ deve se incomodar c/ a reputação de cruel, se seu propósito é manter o povo unido e leal

É ideal o príncpe ser amado e temido, porém, dentre os dois, é mais seguro ser temido, se for preciso optar. Não obstante, o príncipe deve fazer-se temer de modo q , mesmo q ñ ganhe o amor dos súditos, pelo menos evite seu ódio.

 

Capítulo XVIII A CONDUTA DOS PRÍNCIPES E A BOA FÉ

 

Os príncipes q tiveram pouco respeito pela palavra dada puderam c/ astúcia confundir a cabeça dos homens e chegaram a superar os q basearam sua conduta na lealdade.

Um príncipe prudente ñ deverá pois, agir com boa-fé quando, para faze-lo, precise agir contra seus interesses, e quando os motivos q o levaram a empenhar a palavra deixarem de existir.

Não é necessário q príncipe tenha: piedade, fé, integridade, humanidade e religião, porém, é fundamental q ele pareça possuir todas elas.

 

 

Capítulo XIX COMO SE PODE EVITAR O DESPREZO E O ÓDIO

 

O q mais contribuirá para fazer um príncipe odiado é, a conduta rapace, a usurpação dos bens e das mulheres dos súditos.

Os príncipes precisam se acautelar contra duas coisas: uma interna – seus súditos -; a outra, externa – as potências estrangeiras. Se um príncipe possui a estima do povo é impossível que alguém cometa a temeridade de conspirar

 

Capítulo XX A UTILIDADE DE CONSTRUIR FORTALEZAS, E DE OUTRAS MEDIDAS Q OS PRÍNCIPES ADOTAM C/ FREQUÊNCIA.

 

Jamais aconteceu q um príncipe novo chegasse ao poder e desarmasse seus súditos; ao contrário, estando eles desarmados, o príncipe sempre lhes dá armas, pois esses braços armados pertencerão ao monarca, os suspeitos se tornarão leais e os que já eram fiéis manterão sua fidelidade, e de simples súditos passarão a ser partidários do soberano.

 

Capítulo XXI COMO DEVER AGIR UM PRÍNCIPE PARA SER ESTIMADO

 

Nada faz com que um príncipe seja mais estimado do q os grandes empreendimentos e os exemplos q dá.

É muito útil também p/ o príncipe dar algum exemplo notável da sua grandeza no campo da admiração interna, como o q se conta a respeito de messer Barnabó de Milão. Quando acontece q algum cidadão faz algo extraordinário na vida política – algo de bom ou mau -, é preciso achar um meio de recompensa ou punição q seja amplamente comentado. Acima de tudo, um príncipe deve procurar em todas as suas ações conquistar fama de grandeza e excelência.

É também muito estimado o príncipe q age como verdadeiro amigo ou inimigo declarado; isto é, q se declara s/ reservas em favor d uns e contra outros, política q é sempre mais útil do q a da neutralidade.

 

Capítulo XXII OS MINISTROS DOS PRÍNCIPES

 

A 1° impressão q se tem de 1 governante e da sua inteligência é dada pelos homens q o cercam. Quando estes são eficientes e fiéis, pode-se sempre considerar o príncipe sábio, pois foi capaz de reconhecer a capacidade e de manter a fidelidade. Mas quando a situação é oposta pode-se sempre fazer dele mau juízo, pq seu 1° erro terá sido cometido ao escolher os assessores.

Há 3 tipos diferentes de mente: 1 compreende as coisas por si só, o 2° compreende as coisas demonstradas por outrem, o 3° nada consegue discernir, nem só nem c/ a ajuda dos outros.

Se 1 ministro peocupa-se consigo mesmo mais do q c/ o príncipe, nunca será 1 bom ministro. O príncipe por outro lado, para assegurar a fidelidade do ministro, deve pensar nele, honrando-o

 

Capítulo XXIII DE Q MODO ESCAPAR AOS ADULADORES

 

Ñ há outra forma de se defender contra adulações do q fazer as pessoas compreenderem q ñ há ofensa em falar a verdade; mas quando todos podem falar a verdade a alguém, perdem-lhe o respeito. O príncipe prudente adotará 1 3° caminho, escolhendo como conselheiros homens sábios, e dando-lhes inteira liberdade p/ falar a verdade, mas só quando interrogados.

 

Capítulo XXIV AS RAZÕES PQ OS PRÍNCIPES DA ITÁLIA PERDERAM SEUS DOMÍNIOS

 

Se considerarmos os senhores q perderam seus Estados na Itália de hoje, encontraremos um defeito comum no q se refere às forças armadas, ou sofriam de hostilidade por parte do povo. Sem tais defeitos, só se perde um Estado quando ñ se pode colocar 1 exército em campanha.

 

Capítulo XXV O PODER DA SORTE SOBRE O HOMEM E COMO RESISTIR-LHE

 

Para ñ descartar nosso livre-arbítrio, creio q se pode admitir q a sorte seja árbitra da metade de nossos atos, mas q nos permite o controle sobre a outra metade, aproximadamente.

 

Capítulo XXVI EXORTAÇÃO À LIBERTAÇÃO DA ITÁLIA, DOMINADA PELOS BÁRBAROS

 

Embora já tenhamos tido algum vislumbre de esperança, fazendo pensar q Deus teria enviado alguém p/ redimi-la, a sorte o derrubou no ponto culminante da sua carreira; agora, quase s/ vida, a Itália espera por quem lhe possa curar as feridas e ponha fim aos problemas. Ñ se vê neste momento, em quem mais ter esperança de q se ponha à frente da sua redenção senão na ilustre família Médici.

Com efeito, os italianos são superiormente aptos p/ os duelos e competições: têm vigor, destreza e inteligência. Mas quando se trata de exércitos de guerra, apresentam maus resultados; o q deriva diretamente da fraqueza dos seus líderes. É necessária antes de mais nada – como sólido fundamento genuíno de qualquer empresa – q prepare suas forças.

 

 

 

 

 

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe Agora esse conteúdo com seus amigos
O melhor da moda,tecnologia,games,esportes e muito mais
Este artigo foi arquivado em Livros e Cursos

Comentários

Um Comentário para “RESUMO DO LIVRO: O PRÍNCIPE, de Maquiavel”
  1. wopys disse:

    Meus parabéns, excelente narrativa desse livro maravilhoso um grande resumo , sucesso . amigo Luan,,,

Trackbacks

    Deixe o seu Comentário