Descoberta pode revelar porque a Terra suporta a vida e Marte não

Publicado em 2 de agosto de 2015 por Elievelton Da Silva 


WP Greet Box icon
Olá Visitante! Você é novo por aqui, talvez queira assinar o nosso RSS Feed para receber todas as nossas atualizações. Ou se preferir receba nossas atualizações por e-mail. É grátis!

 

O campo magnético da Terra, que protege o planeta de explosões nocivas da radiação solar, é muito mais antigo do que se pensava anteriormente, dizem os pesquisadores. Na verdade, este escudo invisível e protetor provavelmente existia pouco depois de o planeta se formar – uma descoberta que pode lançar luz sobre por que a Terra é habitável e Marte não.

Sem o campo magnético da Terra, os ventos solares – correntes de partículas eletricamente carregadas que fluem do sol – acabariam com a atmosfera e os oceanos do planeta. Como tal, o campo magnético da Terra ajudou a tornar a vida no planeta possível, os pesquisadores disseram.

O campo magnético é gerado no núcleo externo de metal líquido em rotação no interior da Terra, e este “geodínamo” exige a liberação de calor do planeta para conduzir o processo. Hoje em dia, este fluxo de calor é auxiliado por placas tectônicas – o movimento das placas de pedra que compõem o exterior do planeta – que permitem de forma eficiente a transferência de calor do interior da Terra à sua superfície.

Dada a importância do campo magnético da Terra, os cientistas querem identificar quando ele se desenvolveu, o que poderia, por sua vez, fornecer pistas sobre como o planeta foi capaz de permanecer habitável e quando as placas tectônicas surgiram. A segunda questão, no entanto, é muito debatida, e alguns pesquisadores argumentam que a Terra primitiva não tinha um campo magnético.

Desde 2010, a melhor estimativa da idade do campo magnético da Terra era de 3,45 bilhões de anos. Em comparação, a Terra tem cerca de 4,6 bilhões de anos.

Agora, os cientistas descobriram que o campo magnético da Terra poderia ter até 4,2 bilhões de anos – cerca de 750 milhões anos mais velho do que se pensava anteriormente.

Os pesquisadores investigaram minerais magneticamente sensíveis, tais como a magnetita, um primo de ocorrência natural da ferrugem. Conforme a rocha derretida esfria, a magnetita dentro fica literalmente gravada na pedra, apontando para a localização dos pólos magnéticos da Terra no momento em que congelou. Como resultado, as amostras mais antigas de magnetita podem revelar a direção e intensidade do campo magnético da Terra nas primeiras partes da história do planeta, disseram os pesquisadores.

Os cientistas analisaram amostras de magnetite presas em minúsculos cristais de zircão antigos que foram coletados em Jack Hills, na Austrália Ocidental. Para detectar os campos magnéticos, os cientistas tinham que ter um sensor magnético interno especial que era 10 vezes mais sensível do que outros instrumentos usados para fazer esses tipos de medidas.

Isolar os cristais de zircão da rocha circundante foi um desafio. “Normalmente, nós separamos zircões utilizando fortes campos magnéticos, mas não conseguimos fazer isso aqui, uma vez que isso iria destruir as informações que as rochas tinham”, disse John Tarduno, geofísico da Universidade de Rochester, em Nova York, e principal autor do novo estudo detalhando as descobertas. “Então tivemos que separar milhares de zircões à mão, limpando-os em ácidos suaves, o que demandou uma enorme quantidade de tempo,” disse Tarduno.

Os pesquisadores descobriram que os minerais apontavam em uma variedade de direções magnéticas, o que sugeriu que as amostras estavam de fato preservadas.

“[Se] a informação magnética nos zircões tivesse sido apagada e re-gravada, as direções magnéticas deveriam ser todas iguais”, disse Tarduno em um comunicado.

A intensidade dos campos magnéticos que as amostras revelaram sugere a presença de um geodínamo antigo, disseram os pesquisadores.

Estes resultados indicam que provavelmente a Terra tinha um campo magnético e placas tectônicas desde muito cedo em sua história.

Este campo magnético antigo poderia ser uma razão chave pela qual a Terra ainda é habitável e Marte é incapaz de sustentar vida, tanto quanto sabemos atualmente.

“O mais antigo campo magnético anteriormente conhecido a partir de um planeta terrestre foi em Marte, que tinha mais de 4 bilhões de anos”, disse Tarduno. “Mas, em seguida, em algum momento depois de 4 bilhões de anos atrás, ele morreu. Se você comparar a evolução da Terra e de Marte, Marte tinha uma atmosfera mais densa, e água, mas tudo isso se perdeu provavelmente pelo vento solar, porque o planeta não tinha um campo magnético que pudesse protegê-lo, enquanto o nosso sempre pareceu ter tido um forte escudo magnético.” [LiveScience]

Veja mais aqui: http://misteriosdomundo.org/descoberta-pode-revelar-porque-a-terra-suporta-a-vida-e-marte-nao/#ixzz3hi6xWMe1

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Compartilhe Agora esse conteúdo com seus amigos
Este artigo foi arquivado em Outros

Trackbacks

    Deixe o seu Comentário